terça-feira, 21 de maio de 2013

Evoluções

Olá pra todo mundo!

Tive algumas evoluções e quero dividir com vocês. Estava sentindo falta daqui, de sua companhia. Mas voltemos ao assunto evolução: eu e o ficante sentimos que a penetração aconteceu mais. Ainda não foi do jeito que eu quero e da forma como achei que seria, mas senti que o pênis entrou mais, e sem dor. Há a resistência, a dificuldade, e isso é chato pra c%R$%¨&. Muito mesmo, porque eu quero muito uma relação completa, inteira, selvagem até (risos). Mas quando ele tenta continuar os movimentos, o pênis sai, já que a penetração não é tão profunda. Eu fico chateada, porque quero muito ter prazer e proporcionar prazer. Mas assim fica complicado.

O ficante é maravilhoso. Tenta, tenta, tenta. E sei o quanto é frustrante, porque dá pra sentir que gera desânimo após tantas tentativas (da parte dele também). Mas ele tenta disfarçar. Então, depois da primeira transa, dessa última vez, eu falei que precisava conversar com ele sobre algo. E expliquei tudo: que eu tenho uma contração da vagina que vai além do normal, que apesar de ficar super à vontade e excitada eu travo... Até peguei a mão dele pra simular os movimentos de contração e ser didática na explicação.

Ele entendeu, mas disse que achava que eu travava como outras mulheres quando estão nervosas e tal. Disse que nunca sentiu que algo diferente e que achava que se eu desencanar mesmo, soltar a cabeça e tal vai rolar. Foi tranquilo. E eu fui além: mostrei tudo, me abri, mostrei dilatadores (perguntei antes se poderia lhe mostrar algo sem chocar... risos), contei do blog, da rede de apoio aqui, dos relatos de cura, da minha médica, dos exercícios, falei tudo. Ele fez algumas perguntas, reagiu de forma serena e até positiva (especialmente sobre o blog). Mas ficou surpreso ao saber que ninguém (além do ex, das médicas e de vocês) sabe de tudo.

Depois (bem depois) ainda tentamos mais uma vez. Sentimos entrar um pouco, mas eu quero tudo. Sempre fico na dúvida se nós vamos ter outras vezes juntos: apesar da cumplicidade, da intimidade, de tudo não temos compromisso (e isso já ficou óbvio). Mas eu espero que sim e que, da próxima, entre mais, entre tudo. Eu quero me abrir cada vez mais. Pro sexo, pra vida, pra mim e pra os outros. Isso me fez bem.

Beijos. E me contem de vocês nos comentários.